Escola Secundária de Rio Tinto

CURSOS EFA/NS

 

Área de Competência: Cultura, Língua e Comunicação (4)

 

Unidade de Competência 5

 

Proposta de Trabalho: A Internet

 

INTERNET

 

  Internet, c’est un énorme réseau qui relie des millions d’ordinateurs dans le monde. À chaque fois que quelqu’un se connecte (se branche) à Internet, il apporte sur le réseau ses connaissances. Les utilisateurs d’Internet échangent ainsi du courrier, des idées. Ils ont accès à tas de donnés d’universités, de banques, de bibliothèques… du monde entier.

 

Tradução do texto :

  A Internet é uma imensa rede que conecta milhões de computadores no mundo. Cada vez que alguém se conecta à Internet, traz para a rede os seus conhecimentos. Os utilizadores da Internet trocam deste modo correio e ideias. Eles têm acesso a imensos dados de universidades, bancos, bibliotecas… do mundo inteiro.

 

  Através da Internet, podemos democratizar a cultura. É possível ler um livro virtual, estar a par das novidades da moda, ver quadros dos nossos pintores favoritos, até visitar museus, entre muitas outras coisas sem fim. Tudo está à distância de um “clique”. Mas não devemos esquecer que isto não é o mesmo que visitar estes locais pessoalmente ou sentir e cheirar as folhas dum livro…

  A Internet torna a cultura acessível a todos. Comprar um livro, um quadro ou visitar museus não está ao alcance do bolso de qualquer um. A Internet é um meio que torna a divulgação da arte possível de atingir um público mais vasto.

 

  Se não temos como visitar um museu como o Louvre, por exemplo, porque não visitá-lo virtualmente? O site http://www.louvre.fr permite a qualquer hora fazer uma visita guiada a este espaço repleto de cultura.

 

 

Tradução do texto:

Ir ao museu na  Internet

   O museu é um lugar que dá a ideia mais elevada do homem. (André Malraux)

  Os sites dos museus franceses contêm muitas informações práticas e horários. Cada vez mais estruturas museográficas construíram o seu museu virtual, gratuito e acessível a um público mais amplo. Se nada pode substituir a contemplação de uma obra original in loco (no local), alguns sites fornecem um antegosto apreciável, oferecendo qualidade de imagem, percursos transversais das colecções, apreciação em 3D ou em vídeos.

  Aqui está um dos sites em francês a visitar: O Louvre virtual http://www.louvre.fr 

  Passeios temáticos permitem a descoberta da história da arte e das civilizações com as obras do museu. Os registos apresentam um artista ou uma obra e mini-sites são muitas vezes criados em torno de uma exposição.

 

   Apesar da Internet ser um bom meio de divulgar a cultura, nada substitui a contemplação duma obra de arte in loco. Quando lemos um livro na Internet, não temos como saber se algo foi alterado nas suas páginas; Se vemos um quadro na Internet, quem nos garante que a imagem não foi manipulada?

  A contemplação da cultura na Internet “aguça o apetite” de ir lá… apreciar a textura de uma escultura, o relevo de um quadro… Ver pessoalmente obras de arte maravilhosas como estas pinturas:

Massacre dos Inocentes (Peter Paul Rubens)Auto-retrato do artista sem barba (Vincent Van Gogh)

            

Auto-retrato do artista sem barba (Vincent Van Gogh)

Dora Maar (Pablo Picasso)

                                                   

Irises (Vincent Van Gogh)

 

 

 

 

            

Bal au moulin de la Galette, Montmartre (Pierre-Auguste Renoir)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Retrato de Adele Bloch-Bauer I (Gustav Klimt)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Mesmo assim, absorver cultura através da Internet é bem melhor que não a absorver de modo algum!

  No dia-a-dia da sociedade, a Internet tornou-se imprescindível. Actualmente, é um meio fundamental para pensar, criar, comunicar e intervir sobre numerosas situações. É uma ferramenta de grande utilidade para o trabalho colaborativo e representa um suporte do desenvolvimento humano nas dimensões pessoal, social, cultural, lúdica, cívica e profissional.

  A Internet proporciona um meio privilegiado de acesso à informação. Mas, nem toda a informação lá encontrada é confiável. Temos que ter consciência que “qualquer um” pode colocar “qualquer coisa” na Internet. Devemos ser selectivos na informação e usar conteúdos de sites fidedignos. Apesar de termos um mundo de informação à qual podemos aceder sem nos deslocarmos, o excesso desta mesma informação faz-nos divagar, perdermo-nos e distanciarmo-nos do objecto que procuramos.

  Existem também vários perigos associados ao uso indevido da Internet. Principalmente as crianças, por natureza curiosas, gostam de explorar a Internet. Quando o fazem sem orientação tornam-se alvos fáceis a potenciais raptores ou pedófilos. O acesso a sites pornográficos, por exemplo, é muito fácil. Conversar nas redes sociais pode ser perigoso. Não temos como saber com quem os miúdos falam ou trocam informações pois, os utilizadores podem assumir identidades imaginárias.

  As redes sociais como o facebook, o i5, o myspace ou o twitter são novas formas de comunicar, ter acesso a informações pessoais sobre os nossos contactos e darmo-nos a conhecer. Podemos compartilhar informações, conhecimentos e interesses. É um espaço onde podemos reencontrar amigos, comprar ou vender algo. É possível encontrar petições para donativos ou para encontrar dadores de medula. Tornamo-nos amigos dos nossos amigos por todo o mundo e até se namora virtualmente, relações estas que, por vezes, resultam em relações mais sérias no mundo real. Estes são apenas alguns exemplos da extensão de fins que podemos dar às redes sociais.

  Apesar de reconhecer existir alguns aspectos negativos na utilização da Internet, acho-a um precioso auxiliar presente no nosso quotidiano nas mais variadas formas, e com a maior naturalidade e entusiasmo. Faz-nos perder imenso tempo com coisas fúteis, mas as vantagens superam de longe as desvantagens.

 

Fontes consultadas:

http://forum.angolaxyami.com/mundo/13287-10-pinturas-mais-caras-do-mundo.html

Textos de apoio fornecidos pelos formadores

 

                                                                                                      Paula Moreira

Turma B4D

Janeiro de 2011